BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

PSICOPATAS




Algumas características do psicopata são o egocentrismo, a ausência de culpa e remorso, o excesso de razão e a inexistência de emoção. Dentro destas características a mentira é um dos atos mais recorrentes. Para sustentar uma mentira, o psicopata cria outras e mais outras, sempre para chegar aos seus objetivos. Por não sentir culpa, o psicopata atua e finge muito bem. Facilmente pode forjar um choro, tristeza ou qualquer outro sentimento que seja mais facilmente observável.




A grosso modo, o psicopata pode ser classificado em três graus. O primeiro deles, o leve, seria o conhecido 171 (estelionatário), o indivíduo que aplica pequenos golpes e engana as pessoas. O segundo grau, o moderado, seria o indivíduo que se envolve em grandes fraudes financeiras ou em golpes envolvendo muitas pessoas. O terceiro grau, o grave, seria a da categoria dos serial killers, que quase sempre envolvem requintes de crueldade. No Brasil já tivemos vários casos de serial killers, dentre eles o bandido da luz vermelha e o maníaco do parque. Há também muitos outros crimes que foram cometidos por prováveis psicopatas graves, como o caso Richthofen, o caso Eloá e tantos outros.




Os crimes envolvendo os psicopatas graves são repletos de requintes de crueldade. No caso do jornalista Tim Lopes, seus assassinos fizeram um ritual para cometer o crime. Utilizaram espadas, tortura e diversos artifícios de crueldade. Por fim, o corpo do jornalista foi queimado em um local denominado "microndas". Essa categoria mais grave de psicopata pode ser descrita ainda como um predador humano, eles simplesmente “caçam” as suas vítimas como um animal feroz.




/www.psicologoemcuritiba.com.br/2009/04/psicopatia.html
Eu recebo inúmeros e-mails de pessoas que dizem, ou melhor, escrevem que quer muito me conhecer, apos ter lido meu blog, e após manifestar esse desejo de me conhecer, me dão um monte de conselhos, dos mais variados...pedem para que eu não ligue p a opinião alheia, que eu esqueça o que passou, que eu seja eu mesma, que eu me ame, etc...

Acho muito bacana esse tipo de carinho por parte de pessoas que me conhecem, só sabem um pedacinho da minha vida através desse blog. Eu não estou aqui fazendo uma crítica, ou pedindo de forma indireta que parem com seus conselhos!! Isso eu nunca faria, porque penso que toda manisfestação, seja ela positiva ou não, não deixa de ser uma forma de carinho, e que por sinal eu recebo bem.

Tenho duas coisas a ressaltar aqui: Quanto a querer me conhecer, será um prazer, mas não sei o que as pessoas imaginam ou fantasiam a meu respeito, mas adianto que sou só uma mulher que sofreu demais por ter sido ingenua, por não ter tomado os devidos cuidados aqui na internet, e que como muitas, saio de um casamento terrível, onde era violentada de todas as formas, mas que se deixou violentar, e na ansia de ser feliz, e com fome de muito amor, caiu na primeira declaração de amor Vinda de um expert em mulheres carentes. A idéia do blog não é promover a coitadinha que perdeu tudo, e que hoje leva uma vida difícil...já joguei minha coitadinha no lixo a muito tempo, assumo minhas responsabilidades, e ninguém nos faz aquilo que não permitimos....dei muito poder a ele, assim como havia dado a meu ex marido, e sempre que fazemos isso, abrimos mão de nós mesmas, e as pessoas se sentem a vontade de fazer o que bem quiser.

Outro ponto a enfatizar aqui é que eu não estou fazendo apologia ao sofrimento...nem acho que me exponho quando conto que fui vítima de violência física, verbal, emocional de meu ex marido, e mesmo tendo uma vida muito confortável materialmente, eu pedi a separação e lutei por ela, porque não há jóia, não há carro nem coisa alguma que possa servir de consolo, ou de desculpas para se viver num cativeiro como eu vivia...nunca me vendi.

Eu escrevo esse blog para PEDIR as mulheres em geral, que não fiquem nas mãos de ninguém, que denunciem, que façam BO quando forem agredidas principalmente físicamente, eu só passei a ter mais segurança o dia em que fiz um BO e andava com ele na bolsa.

Não acreditem nas desculpas, nos beijos pós massacre...nas promessas de que será a última vez! Quem nasce para agredir e encontra quem deixe, seja lá porque motivo, fará isso a vida inteira...não queira mudar ninguém....mude você.

As minhas dores, minhas mágoas, ou qualquer sentimento que derive do reultado de ter ou ser mal amada, já foi superado, caso contrário, eu não faria esse blog. Não trabalhei fora, apesar de ter faculdade e várias pós, me dediquei a filhos e ao marido durante 17 anos, abri mão de minha profissão, e hoje não tenho o menor valor para o carrasco que conviveu comigo por 17 anos, que pediu para que eu não trabalhasse...e hoje espalha aos 4 ventos que não fiz nada durante 17 anos....e se vinga no bolso, me deixando passar necessidade, e principalmente, deixando os próprios filhos passarem, sendo ele um grande executivo...mas como já escrevi anteriormente, eu deixei....eu permitir...quando eu devia ter ido embora na primeira levantada de mão de que ele deu.

Saí de um casamento onde eu deixei que me roubasse meus sonhos, minha auto estima, e tantas outras coisas, e entrei em outro que me roubou de fato, talvez a única coisa que tenha sobrado de meu casamento...um apartamento, que era minha segurança, e um carro que querendo ou não é um conforto....deixei os dois levarem tudo.

Isso é apenas um alerta, um exemplo, uma confissão de ingenuidade e burrice. Hoje, depois de tudo que dei, me dediquei, fui leal, respeitei, ainda sou mal julagada por ter me envolvido com uma pessoa que era um bandido e eu nem desconfiei.

Mas aos que me aconselham não se importar com a opinião alheia, a ser eu mesma, eu digo que o que os outros pensam , acham sentem a meu respeito, não tem o menor valor, nem chego a ouvir, sei quem sou, não tenho vergonha de ter sido tão abandonada por mim, mas hoje, depois de ter passado por tudo que passei, me amo muito, me valorizo demais, to ainda na luta, ainda quero ser muito feliz, e serei...sinto falta de ter meu conforto? claro!! de ter meu carro? com certeza!! mas tudo isso foi o preço que paguei para aprender na dor...e hoje olho no espelho e vejo uma mulher de carater, que assume que errou, ou que fez o que sabia, mas que nunca mais deixará alguém se quer enconstar as mãos em mim, se não for para me fazer um carinho.

As mãos que batem, não sabem acariciar, as mãos que roubam, não sabem pegar nem reconhecer o que é verdadeiro e honesto.

Era isso...esse é o meu recado, e sempre será!







CONTADOR

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

A LOUCA?? RSRS...A LOUCA....SOU EU!!!

Quando nosso filho mais velho, que hoje esta na faculdade era pequeno, nosso casamento já começava dar sinais de "perigo". Como sempre as brigas, e os motivos sempre os mesmos: as viagens, falta de carinho, atenção...tanto que o menino de 4 aos já estava indo para a terapia. Ele tinha uma bronquite muito forte, e muito constante, e nenhum remédio fazia efeito. Meu deus, me lembro de como eu ficava quando ele começava a tossir!! Tinha que leva-lo ao pronto socorro fazer inalação de oxigênio.
Até que um dia eu resolvi leva-lo no papa da asma, afinal, do que ele tinha tanta alergia? E foi constatado que ele não era exatamente uma criança alérgica, e aconselhada por ele, levamos a uma terapeuta muito bem indicada. Diagnóstico...energia agressiva presa, pai autoritário, não aguentava ver bagunça de brinquedos, aliás não podia ver brinquedo que já queria jogar no lixo!! Bem, a psicologa nos chamou e disse ele havia parado de brincar, e que claro, criança que não brinca, não é um adulto feliz, toda brincadeira quando criança é lúdica, é através do brincar que a criança expressa e trabalha o seu lado afetivo e emocional. Contamos também que estavamos brigando muito, e ela nos recomendou fazer uma terapia de casal. Eu sou psicóloga, e como tal, nunca fui a favor de terapia de casal, pendo que cada um deve ter o seu terapeuta, o seu espaço, mas enfim, ela nos indicou uma psicologa e lá fomos nós em busca de não sei o que.
Fomos depois de alguns dias, e conversamos um pouco sobre  o que estava nos levando ate lá. Após um breve resumo, ela me pergunta como havia sido minha infância...logo notei que a linha dela era bem freudiana, exatamente aquela que vc guia olhando pelo retrovisor...não sai do passado, querendo ir para frente, uma linha demorada, dura, mas enfim, a seção já havia começado. Então eu contei sobre minha infância, que não tinha sido exatamente uma infãncia feliz, pelo contrário, contei o porque das dificuldades, fui bem sincera e objetiva...sempre sou assim. Aí...chegou a vez dea fazer a mesma pergunta ao meu marido ainda naquela época.
Ele contou uma infãncia maravilhosa, falou dos muitos momentos felizes que ele teve, das belas lembranças, etc...e eu sabia que tudo aquilo não era verdade, mas fiquei na minha, não fiz nenhuma observação.
Ao acabar a seção, ela nos diz que meu marido estava muito bem obrigada, muito bem resolvido, e que quem precisava de terapia era eu, somente eu.
Eu sempre fiz terapia, por vários motivos, na época da faculdade era recomendado fazer, fiz também porque me sentia muito bem fazendo, sabia que tinha que trbalhar algumas coisas que pegavam, sendo que durante a faculdade fiz muitos anos de psicanálise ortodóxia, e para ser sincera, não me sentia saindo do lugar....estava sendo no ventre de minha mãe....
Depois quando fui fazer minha pós graduação em terapia para gestantes, no hospital 9 de julho, foi pedido que fizessemos, mas que procurassemos a mesma linha a que íriamos atender, meio guestáltica, afinal, com gestante só se trabalha o aqui e o agora, para ela ir mais segura para o parto.
Enfim, agradeci a nobre psicóloga, com a promessa de que iria procurar uma linha da qual eu gostava, e que iria fazer.
Esse dia é lembrado até hoje pelo meu nobre ex marido...que claro, saiu todo feliz da seção por ter ouvido que ele era um homem resolvidíssimo, e como ele sempre distorcia o que ouvia, tratou de espalhar a notícia..."A psicóloga disse que a louca é a Valéria".
E desde então, ele passou a justificar seus erros alegando que eu era louca.
Talvez eu estivese mesmo começando, pois conviver com uma pessoa absolutamente fechada, que nunca me contava absolutamente nada sobre seu dia, seu trabalho, seus problemas, que não me deixava ir viajar com ele, e que quando voltava não tinha nada para me contar...aliás, eu sabia que ele tinha ido fazer um projeto, porque é o que ele faz, mas nunca soube que tipo de projeto, se deu certo ou não, se foi legal ou não...quando eu perguntava, ele dizia que não era da minha conta.
Eu vivia com um homem misterioso, e sendo eu ciumenta, isso instigava cada vez mais meu ciúmes, pois quando não se tem pelo menos um mínimo de informação, começamos a "achar" um monte de coisas...a fantasiar, elocubrar. E hoje eu sei que isso alimentava alguma parte doentia dele...ele tinha prazer em me ver sofrer.
Depois do acontecido, é claro que eu passei a ser mais louca ainda...e ele tem o poder de convencer, ele fala com tanta convicção, que não tem como as pessoas duvidarem....e é claro, ele fazia questao de espalhar aos quatro ventos que era casado com uma louca.
E ele era o perfeito, sangue germânico, nao fazia nada que não fosse espetacular...e defeitos...não, ele não tinha um só defeito.
Até hoje ele fala para todos que nos conhece que sou louca, inclusive tenta convencer nossos filhos disso, uma atitude inclusive muito saudável.


Mutantes > Balada Do Louco



Balada Do Louco


Os Mutantes


Composição: Arnaldo Baptista / Rita Lee


Dizem que sou louco por pensar assim
Se eu sou muito louco por eu ser feliz
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Se eles são bonitos, sou Alain Delon
Se eles são famosos, sou Napoleão
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu
Se eles têm três carros, eu posso voar
Se eles rezam muito, eu já estou no céu
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu
Sim sou muito louco, não vou me curar
Já não sou o único que encontrou a paz
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, eu sou feliz


0 comentários: